11 de dezembro de 2010

ANARCO E TURISMO SÃO DESTAQUES NO V ENEX!!!


Sob o tema "Território(s) e Desenvolvimento(s)", o V Encontro de Extensão Universitária da UFMS (ENEX) teve 115 trabalhos inscritos. Os resultados dos projetos de extensão desenvolvidos por acadêmicos e professores foram reunidos numa apresentação de banners confeccionados pelos participantes. Todos os projetos são acompanhados pela PREAE através do SIGProj/MEC, sistema que gerencia o cadastro único de ações de extensão, gestão e monitoramento local.
Uma Comissão Avaliadora, composta por representantes das Unidades de Aprovação da UFMS, julgou os banners apresentados, e entre os mais de cem, tiveram grande destaque os cinco projetos seguintes:


1. Conexão de Saberes, apresentado por Jussara Silva dos Santos, da unidade CPAN, na área temática de Educação.
2. Expedições Anarca-Pedagógicas Atemporais, apresentado por Bruna Medeiros Cordeiro, da unidade CPAQ, na área temática de Meio Ambiente.
3. Campus Cultural 3, apresentado por Aline de Sousa Mota, da unidade CPNA, na área temática de Cultura.
4. O Turismo na Edução Básica, apresentado por Maria Caroline Moron Urt, da unidade CPAQ, na área temática de Educação.
5. Universitários também fazem arte - I Mostra de cultura intercampus, apresentado por Marielle Lemes dos Santos Fernandes, da PREAE, na área temática de Cultura
.
Fonte: CEX / PREAE
Carol, Luis e Bruna, participando do V ENEX, UFMS em Campo Grande.

Saudações Anárquicas,
Carol Urt 

28 de novembro de 2010

ANARCO 2011: redimensionamento do projeto terá oficinas temáticas desenvolvidas nas comunidades visitadas em 2010

Biodigestores são alternativa ambientalmente correta ao abastecimento de energia

Em 2011, o Projeto Expedições Anarco Pedagógico Atemporais passará a desenvolver, além das expedições até áreas de conservação, oficinas temáticas com vistas a fortalecer os objetivos de educação ambiental e patrimonial do projeto. Entre elas, já estão avançadas as discussões sobre a oficina de compostagem e biodigestores a ser realizada em uma das comundiades visitadas no ano de 2010. Outra proposta é o desenvolvimento em conjunto de atividades de conservação e educação ambiental junto com o projeto que está sendo organizado por estudantes da UEMS e do ensino médio da Geraldo Garcia. Em contato com o comando local da Polícia Militar Ambiental, mais uma parceria pode ser alinhavada já no início do ano e podem propiciar expedições regulares em diversos pontos do Rio Aquidauana. Além disso, uma oficina de monitoramento ambiental de trilhas pode vir a ser desenvolvida em conjunto com a Universidade Estadual, por meio do projeto de extensão já desenvolvido naquela instituição cuja coordenação está a cargo do professor Afrânio (anrco simpatizante). Teremos ainda  participação definitiva do curso de pedagogia da UFMS, o qual tem como grande entusiasta da participação no anarco a professora Anar Paula (anarco simpatizante). Há ainda a discussão em torno da participação do curso técnico em agropecuária, oferecido pelo CEPA o qual poderá participar institucionalmente das  anarco atividades no ano que vem. Enfim, é certo que o 'Anarco 2011' deverá arregimentar uma variedade de ações que irá ampliar ainda mais o leque de atividades do projeto.
Luiz Eugenio

11 de novembro de 2010

Anarco estudantes procuram parceiros para projeto com foco na comunidade ribeirinha do Aquidauana

Projeto Pirangueiro já está sendo discutido com vários segmentos da sociedade.
 Poderá abrigar ações de pesquisa, ensino e extensão
Por iniciativa de um grupo de estudantes liderados pelo anarco Mathaus Lino (1º ano Ensino Médio - Geraldo Garcia) e pela acadêmica Ana Cláudia Lopes da Engenharia Florestal (UEMS) está sendo discutido com diversos setores da sociedade a organização de um projeto interdisciplinar cujo foco serão ações ambientalistas direcionadas a preservação das margens do Rio Aquidauana em toda a área urbana. O projeto terá diversos campos de atuação, sendo possível articular ações de pesquisa, extensão e ensino. Alguns contatos já foram efetuados e a idéia cresce a cada dia, ganhando adesões importantes. Em conversas preliminares os professores Afrânio (UEMS), Rímoli e Ana Paula (UFMS) já se comprometeram a conhecer e apoiar a idéia que deverá desencadear uma variedade de ações que visam envolver a comunidade ribeirinha em torno da questão ambiental. Eliakin dos Santos,  coordenador de políticas para a juventude da Prefeitura Municipal foi contactado e está se empenhando em avançar conversas para obter o envolvimento oficial da coordenadoria, estimulando a participação de jovens na iniciativa. O projeto "Pirangueiro" como já vem sendo chamado pelos idealizadores deverá envolver as duas universidades públicas da cidade, além das escolas que se situam nas proximidades das áreas envolvidas no projeto. Contatos podem ser efetuados pelo celular 9647 6324 ou 9621 4166. 
Postado por Luiz Eugenio

5 de novembro de 2010

Estátua do faraó Amenhotep III é encontrada em Luxor

Sex, 05 Nov, 09h18
CAIRO (AFP) - Arqueólogos encontraram em Luxor, no sul do Egito, parte de uma estátua de quase 3.400 anos que representa o faraó Amenhotep III, anunciou nesta quinta-feira o ministro egípcio de Antiguidades, Zahi Hawass.

A estátua mostra o faraó sentado ao lado do deus Hórus (Sol), com sua cabeça de falcão. A metade superior da estátua, em granito vermelho, foi descoberta no sítio do templo funerário de Amenhotep III, em Kom Al Hitan, no oeste de Luxor.
"É um dos achados mais lindos feitos no sítio funerário" de Amenhotep III, disse Hawass.
Os arqueólogos já haviam descoberto, no mês passado, outra estátua do faraó Amenhotep III, de 3.000 mil anos, na mesma região.
Amenhotep III, que reinou o Egito entre 1390 e 1352 a.C, seria o avô de Tutankamon, segundo análises de DNA de diversas múmias

Fonte: www.yahoo.com.br.

2 de novembro de 2010

TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO É JOGADA ELEITORAL - ENTREVISTA COM DOM LUIZ CAPPIO


Dois anos depois de nossa última conversa, Dom Cappio fala, na entrevista que concedeu à IHU On-Line, por telefone, sobre a situação atual das obras de transposição do rio São Francisco e como ele e os movimentos sociais estão trabalhando na luta contra o projeto. “O projeto segue adiante, mas não na velocidade prevista. Quem está trabalhando é praticamente só o exército. Quase todas as empresas deixaram o campo de obras por conta de atrasos em relação aos pagamentos e a falta de confiança nos recursos referentes ao projeto”, explica o bispo de Barra, na Bahia.
Dom Cappio fala também da relação das eleições com os projetos que ele chama de ‘megalomaníacos’. “Não adianta ser contra alguma coisa e depois votar naquelas que estão levando adiante este projeto. Estamos fazendo um trabalho de conscientização popular para que o pessoal perceba que o nosso voto é responsável por todas essas loucuras que depois os governos fazem”, revela.
Dom Luiz Flávio Cappio vive na Bahia, onde está à frente da Diocese de Barra. Em 2005 e 2007 fez greve de fome em protesto contra o projeto do governo federal de transposição do rio São Francisco. Em 2008, a organização Pax Christi Internacional (Bélgica) deu a Dom Cappio o prêmio da Paz do mesmo ano, por sua luta em defesa da vida na região do São Francisco. Em 2009, recebeu o Prêmio Kant de Cidadão do Mundo, da Fundação Kant (Alemanha).
IHU On-Line – Em que estágio encontra-se a transposição do rio São Francisco? Qual a situação atual das obras?
Dom Cappio – O projeto segue adiante, mas não na velocidade prevista. Quem está trabalhando é praticamente só o exército. Quase todas as empresas deixaram o campo de obras por conta de atrasos em relação aos pagamentos e a falta de confiança nos recursos referentes ao projeto. Temos notícias de que a obra está praticamente parada. Então, a situação hoje do projeto de transposição de águas do Rio São Francisco é caótica, já estamos no final dos prazos previstos e apenas 15% da obra foi executada. Serviços de infraestrutura junto àqueles que requerem maiores tecnologias nem sequer foram iniciados.
IHU On-Line – A obra já começou. O senhor já vê alguma influência na vida do São Francisco?
Dom Cappio – Por enquanto, ainda não significou muito na vida do rio e de quem depende dele.
IHU On-Line – Em relação à resistência, onde estão os movimentos sociais e o movimento indígena?
Dom Cappio – Os movimentos sociais, as universidades e a sociedade civil nunca se calaram, nunca ficaram parados. Agora mesmo estive na Europa participando de uma série de palestras, encontros e debates e vi que não apenas o Brasil, mas o mundo todo se levanta contra o projeto de transposição de águas e agora também contra o projeto de Belo Monte no Pará. São obras muito grandes de alto investimento de recursos públicos e praticamente baseados em uma tecnologia totalmente ultrapassada, então são recursos do dinheiro público investidos em tecnologias totalmente superadas. Isso nos causa uma indignação muito grande, principalmente porque sabemos que o projeto de transposição é totalmente eleitoreiro. O objetivo do projeto já foi alcançado, que era os recursos para o atual tempo de política eleitoral. Desta forma, os recursos já foram todos amealhados para a atual campanha. Se o projeto de transposição vai ou não adiante, isso é secundário, o importante para quem faz parte dessa jogada já foi conquistado.
IHU On-Line – E o pessoal que apoiou a sua greve de fome?
Dom Cappio – No debate dos presidenciáveis na Rede Viva, o Plínio de Arruda Sampaio, que é um dos mentores de todas essas lutas sociais, por várias vezes citou toda nossa luta contrária ao projeto de transposição. As grandes mobilizações continuam, só que a imprensa não divulga, a imprensa que está a serviço do poder simplesmente ignora as manifestações todas. Jamais a sociedade civil parou de se manifestar e de reagir, indignada diante do projeto.
IHU On-Line – Em relação aos candidatos à presidência, apenas o Plínio se manifestou quanto à transposição?
Dom Cappio – O Plínio é quem claramente se manifesta contra. Ele é a pessoa que, desde o início, com toda a clareza, se manifestou contrário ao projeto de transposição de águas do rio São Francisco.
IHU On-Line – Como o senhor pretende se posicionar nas próximas eleições?
Dom Cappio – Todos que lutam em defesa do rio São Francisco sempre dizem que não podemos apoiar de maneira nenhuma aqueles candidatos à Presidência da República, aos governos estaduais, ao Senado e às câmaras de deputados que dão o seu aval a esse tipo de projeto, seja o de transposição de águas, seja o de Belo Monte e outros projetos similares. Nós não podemos, de forma nenhuma, apoiar estes políticos, porque uma coisa é você ter consciência ecológica e se manifestar contrário a projetos antiecológicos, antissociais e antieconômicos, e outra coisa é você votar em pessoas que apóiam estes projetos.
Se nós somos contrários a estes projetos, não podemos de maneira nenhuma apoiar candidatos que são a favor, que são os promotores destas ideias. Eu não vejo muito futuro para esses projetos porque são megalomaníacos, imensos, grandes, que nunca terão fim, porque são obras que vão consumir muitos recursos públicos. Desde o início, temos avisado que estes projetos não vão chegar ao fim, são projetos eleitoreiros. Uma vez passada as eleições, o pessoal não vai estar nem aí se a obra vai adiante, se termina ou se não termina. Levar água para as comunidades irá depender dos governos estaduais e municipais e é utópico achar que estes vão fazer as partes complementares do projeto.
Eu sou um homem público e o povo tem direito de saber o que o pastor pensa. No primeiro turno eu vou votar muito feliz porque vou de Plínio de Arruda Sampaio, que é uma pessoa íntegra, um cristão verdadeiro. Plínio foi um dos fundadores do PT e, assim como nós, também lutou pela implementação de um partido dos trabalhadores, desde o momento em que o PT se desviou dos ideais, se retirou do partido. Eu voto com muita felicidade, com muita alegria no primeiro turno para Plínio. Será um voto consciente dado com amor. No segundo turno, eu dou um voto com tristeza, porque não é um voto que eu gostaria de dar. Como provavelmente não teremos outra opção, vou votar no Serra, mas esta não é uma opção feliz, no entanto em Dilma eu não voto.
IHU On-Line – Como chegaram aí as notícias de que o São Francisco pode comportar duas usinas nucleares?
Dom Cappio – Este é outro projeto absurdo. Para quem vive aqui, quem conhece a realidade deste povo, estes projetos feitos por técnicos, que não conhecem o rio e o povo ribeirinho, entre quatro paredes, são completamente loucos, não condizem com a realidade. Projetos como esse, precisam ser discutidos com a sociedade civil, e esses projetos não são discutidos com a sociedade civil. O projeto de transposição não foi a debate, assim como o projeto de Belo Monte. Pelo contrário, todos os projetos encontraram reações tremendas diante da sociedade civil. A ideia de usinas nucleares no São Francisco simplesmente se impõe de maneira ditatorial, antidemocrática e terrível.
IHU On-Line – O senhor tem conversado com a população ribeirinha sobre a transposição? Qual é o sentimento do povo?
Dom Cappio – O povo se sente traído e se manifesta. Nós temos dito que é preciso fazer, agora, uma ligação entre essa indignação e os votos que serão dados no dia da eleição. Não adianta ser contra alguma coisa e depois votar naquelas que estão levando adiante este projeto. Estamos fazendo um trabalho de consciência popular para que o pessoal perceba que o nosso voto é responsável por todas essas loucuras que depois os governos fazem.
IHU On-Line – O senhor considera que essa obra aumentará no futuro a popularidade de Lula no Nordeste ou funcionará ao contrário, ficará como uma herança maldita?
Dom Cappio – Eu sempre digo que nós não perdemos por esperar. O tempo mostra a verdade de todas as coisas e ele vai mostrar o significado da nossa luta e o que foi, na realidade, o governo Lula para o Brasil. A verdade, com o tempo, aparece.
Então, que nós, nessas eleições, possamos dar o nosso voto com muita consciência, sabendo que esse ato decide os destinos da nação. Um voto bem dado, uma nação feliz, um voto mal dado, infelicidade para todos. Que o povo brasileiro tenha muita consciência na hora em que for dar o seu voto.
(Ecodebate, 27/08/2010) publicado pelo IHU On-line, parceiro estratégico do EcoDebate na socialização da informação.
[IHU On-line é publicado pelo Instituto Humanitas Unisinos - IHU, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos, em São Leopoldo, RS.]
[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

27 de outubro de 2010

Anarco é apresentado em encontro de tecnologia

Evento reúne vários projetos que usam a tecnologia
Nesta quarta, 27-10, o Projeto Expedições Anarco Pedagógico Atemporais está sendo apresentado na Câmara Municipal de Aquidauana num encontro sobre o uso de tecnologia na educação. Nosso projeto tem o blog que foi criado para servir de meio de comunicação e organização e isto é um exemplo de uso de tecnologia em projetos. O professor Luiz Eugenio (história) está apresentando o projeto e o uso da tecnologia para os demais professores de Aquidauana e de cidades próximas. A apresentação foi marcada para as 9 h. da manhã no plenário da Câmara Municipal.




Postado por Eduardo César dos Anjos Wandscheer - 2° ANO “B”

15 de outubro de 2010

29 de setembro de 2010

ANARCO EXPEDIÇÃO DO DIA 25-09 MAIS FOTOS











MAIS UMA VEZ O GRUPO FOI DIVIDIDO EM DOIS. AS FOTOS AO LADO SÃO DO PRIMEIRO GRUPO A ENTRAR NA TRILHA. ACOMPANHANDO OS ESTUDANTES ESTAVAM KAROL (turismo), ELEN(história), BRUNA(geografia), NELSON(geografia), CLAUDINEI(engenharia florestal), LUIZ(biologia), ISABELA(engeharia florestal) e AMÉRICO (educação no campo).

26 de setembro de 2010

SÁBADO, 25, NASCENTE DO JOÃO DIAS. MAIS UM ANARCO ESPAÇO. BELEZA, ANTROPOLOGIA, MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO E DIREITO À TERRA















Na expedição até a Nascente do João Dias foram enfatizados diversos fatores antropológicos relacionados a ocupaçao daquelas terras pelos Terena. Segundo as conversações, um pecuarista ocupou parte da área das nascente e com a expansão do pasto gramíneo, ameaça a salubridade e a vitalidade da nascente. Tramita atualmente uma ação na justiça federal em que se discute a verdadeira posse das terras. Não resta dúvida de que a manutenção da posse irregular para os criadores de gado ameaça a segurança ambiental em toda a região da borda da Serra de Maracaju e neste caso, a garantia das comunidades indígenas no controle dessas terras deixa clara a preocupação com a conservação e um maior zelo pelas condições ambientais. A expedição também serviu para que os estudantes conhecessem a região com sua beleza e seu acervo ambiental e patrimonial, construindo saberes em torno das nove áreas de conhecimento participantes do projeto.
luiz eugenio




ANARQUIA TOTAL: anarco na sexta..... CERA I em parceria com o projeto TURISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA








Na sexta, dia 24, acompanhamos a anarco monitora Karol que trouxe um grupo de estudantes da Escola Cândido Mariano para conhecer o síito Arqueológico CERA. A atividade fez parte do projeto Turismo na Educação Básica, o qual é desenvolvido com estudantes de ensino fundamental. Anarco parceria foi inevitável e na sexta, a expedição ao sítio CERA foi um momento de ativo aprendizado para todos. Além dos monitores do projeto de turismo, uma equipe de anarco monitres acompanhou o grupo, compartilhando conhecimentos adquiridos durante os dois anos de 'anarcos'. Diversos aspectos ambientais, além dos vestígios encontrados noa brigo de rocha do CERA I foram apresentados aos estudantes que demosntraram inesgotável entusiasmo durante a trilha. a anarco parceria poderá se estender e render cada vez mais conhecimento e consciência.

23 de setembro de 2010

EXPEDIÇÕES "ANARCO-PEDAGÓGICO-ATEMPORAIS" FAZ "ANARCO-PARCERIA" COM OUTRO PROJETO DE EXTENSÃO DA UFMS!

     Boa Tarde Anarcos,

     Nesta próxima sexta-feira, 24, será realizada a primeira expedição em parceria com o Projeto "O Turismo na Educação Básica", com a visita ao CERA I e II, com os alunos do 6º ano do Colégio Estadual Cândido Mariano.
    A proposta do Projeto TEB, é que a partir das oficinas e atividades de Educação Ambiental e Patrimonial desenvolvidas com as crianças, haja uma melhor compreensão e valorização do município, agregando valor aos conhecimentos adquiridos na escola. O projeto utiliza da estratégia didática diferenciada, envolvendo questões como ética, hospitalidade, Meio Ambiente, cultura e cidadania, e como tema transversal o Turismo.
   Esta "anarco-parceria" é uma grande vitória para ambas as partes, pois é uma oportunidade de troca de conhecimentos, além de que iniciativas como essa podem ser consideradas como exemplos para diversos grupos a sociedade, ressaltando que o Associativismo é uma das ferramentas que ajuda a promover o desenvolvimento de qualquer municpio
 
   Nesta primeira Expedição as vagas serão limitadas, e os monitores foram pre estabelecidos na última reunião na quarta, 22. (Lembrando que foi dada prioridade aos monitores presentes na reunião) Abaixo segue instruções para os monitores listados:

  • Os alunos serão divididos em dois(02) grupos, para facilitar o trabalho e pensando na segurança das crianças. 
  • Os monitores que acompanharão cada grupo estão devidamente listados abaixo:




Grupo Onça Parda
-Bruna Medeiros (Anarco -Geografia)
-Prof. Luis Eugênio (Anarco-História)
-Ellen  (Anarco-História)
-Laís Helena (Estagiária Projeto TEB - Turismo)
-Alexsander (Estagiario Projeto TEB - Turismo)
-Bruna de Sá ( Bolsista Projeto TEB - Turismo)

Grupo Onça Pintada
-Carol Urt (Anarco e TEB - Turismo)
-Nelson (Anarco- Geografia)
-Átila (Anarco - Geografia)
-Rafael Lins (Estagiário Projeto TEB - Turismo)
-Karin Coelho (Estagiária Projeto TEB - Turismo)
-Prof. Lucas (Cândido Mariano - Biologia)


INFORMAÇÃO IMPORTANTE!

SAÍDA : 13h 30min
LOCAL: Colégio Estadual Cândido Mariano.

RETORNO (previsto) : 17h
LOCAL: Colégio Estadual CândidoMariano.



Saudações Anárquicas, 
Carol Urt

17 de setembro de 2010

Anarcos se reúnem com Cacique do Limão Verde e definem data da próxima expedição

Na sexta, 17-09, os anarcos Luiz Eugenio e Nelson estiveram reunidos com o Cacique Alberto da Aldeia Limão Verde. Na ocasião foi apresentado o projeto ao cacique e demais lideranças presentes, além da Diretora da Escola Municipal da Aldeia Limão Verde. A presentação do projeto serviu para obter a autorização do líder Terena para a realização da próxima anarco expedição, a qual foi marcada para o próximo final de semana, dia 25-09-2010, no período da manhã. Foi acertado também a participação de um grupo de estudantes indígenas do ensino médio e do ensino fundamental da Aldeia, os quais estarão sendo integrados ao projeto, atuando não apenas como anarco estudantes, mas na condição de guias para as áreas a serem visitadas. Na próxima semana a anarco equipe estará organizando os demais detalhes da próxima expedição, a qual irá levar os estudantes até a Nascente do Córrego João Dias.

13 de setembro de 2010

11-09: Furna dos Baianos. Escola Cel. Juvêncio de Jardim participa de anarco expedição



A Escola Cel. Juvêncio, da cidade de Jardim participou de mais uma anarco expedição. A atividade teve início pela manhã onde foi realizada uma trilha até o Sítio Arqueológico córrego das Antas, localizado na região da Furna dos Baianos, no Distrito de Piraputanga, distante 34 Km de Aquidauana. No local os estudantes e professores jardinenses conheceram anarco metodologia do projeto. Com a presença dos monitores Eliezer, Nelson, Bruna, Átila e Luiz Eugenio, além de uma equipe de anarco estudantes da Geraldo Garcia, o grupo pode visitar, pedagogicamente as pinturas rupestres, petroglifos e os diferentes aspectos físicos e ambientais da área do sítio. O proprietário da área, o grande Jamil acompanhou o grupo e acolheu a todos com a costumeira simpatia. A diretora da Escola Cel. Juvêncio acompanhou os estudantes em toda a trilha, conhecendo de perto toda a atividade de educação ambiental e patrimonial das anarcos. A expedição ao Sítio CERA foi cancelada uma vez que no período da tarde, além do calor intenso as condições de umidade do ar estavam altamente precárias. Os estudnates forma levados ao Museu de Arte Pantaneira e retornaram a Jardim por volta das 17 horas. Também se fez presente na anarco expedição a professora Ana Paula Werry que fez questão de conhecer o projeto e suas ações depois de ver a apresentação do mesmo durante as comemorações dos 40 anos do CPAQ.

31 de agosto de 2010

40 ANOS DE UFMS EM AQUIDAUANA. 'ANARCOS' PRESENTE

Entre os dias 30-08 a 02-09, aconteceram as atividades alusivas aos 40 anos da UFMS em Aquidauana. O Projeto Expedições Anarco Pedagógico Atemporais montou um espaço dentro das dependências do Câmpus I e recebeu a visita de estudantes, educadores, pesquisadores e do público em geral. Além dos banners de divulgação, um vasto material fotográfico foi exibidos em projeções de slides. A presença de monitores e estudantes da Escola Geraldo Garcia, estimulou a troca de experiências com o público e tornou o ambiente extremamente acolhedor.  Dentro das atividades, o anarco espaço foi uma alternativa de troca de idéias, impressões acadêmicas e científicas sobre a dinâmica multidisciplinar do projeto.

25 de agosto de 2010

Arqueólogos descobrem cidade egípcia de 3.500 anos AP

Arqueólogos encontraram no oásis de um deserto ruínas de um assentamento egípcio de 3.500 anos AP que antecede em um milênio outras cidades antigas, informou nesta quarta-feira (25) o Ministério da Cultura do Egito. Realizando escavações no oásis Um El-Kharga, um dos cinco desertos ocidentais do Egito - a cerca de 200 quilômetros ao sul do Cairo -, uma missão da Universidade Yale fez a descoberta enquanto trabalhava em um mapa de rotas antigas do Deserto Ocidental. O assentamento possui rotas ligando o Vale do Nilo, no Egito, ao oásis ocidental, se estendendo até a região de Darfur, no Sudão, disse o comunicado. O local atingiu seu auge no Reino Médio (3786 a 3665 anos AP). As ruínas de uma padaria, assim como dois fornos e um torno de oleiro usado na produção de formas de cerâmica, onde o pão era assado, também foram encontrados, sugerindo que o local seria um importante centro gastronômico, informou o chefe da missão, John Darnell.
fonte:folhaonline.com.br

21 de agosto de 2010

Capacitação em primeiros socorros contou com presença maciça



No sábado, 21, o Corpo de Bombeiros Militar ofereceu uma capacitação em primeiros socorros a todos os anarco monitores. O encontro ocorreu nas dependências da unidade II da UFMS e contou com a presença da maioria dos monitores e ainda de alguns convidados, como a professora Gilcenyr, bióloga da Escola Geraldo Garcia. A anarco monitora Ana Izabel, trouxe de Piraputanga dois convidados, sendo um motorista de ambulência que atenda àquela comunidade e uma engenheira Agrônoma que atua no PROJOVEM RURAL desenvolvido no distrito. Dois militares do corpo de bombeiros fizeram uma série de esclarecimentos a respeito dos procedimentos a serem adotados em situações de urgência bem como em emergência. Além disso, foram discutidas as medidas necessárias em caso de picada de animais peçonhentos, além  de questões organizacionais referentes à segurança das atividades. A atividade teve início por volta das 14 horas e durou até o final da tarde e foi ministrada pelo Sargento BM Pache e pelo Cabo BM Paulo Henrique. Foi acertado que outros encontros desta natureza serão organizados, sendo colocada à disposição do projeto toda a estrutura de apoio e orientação dos bombeiros. Ao final da capacitação os anarco monitores aproveitaram o encontro para discutir assuntos pendentes do projeto. Foram montadas ainda as equipes que estarão apresentando o projeto no encontro científico alusivo aos 40 anos do CPAQ, cuja escala está disponível no quadro de avisos do blog.  

18 de agosto de 2010

Diretora da Escola Estadual Cel. Juvêncio( Jardim MS) confirma presença na próxima anarco expedição

Professora Roseli Dias, diretora da
E. E. Cel Juvêncio, presença confirmada


Em reunião com o professor Luiz Eugenio na sexta feira, dia 13 de agosto, a diretora da Escola Estadual Cel. Juvêncio, professora Roseli Aparecida Dias, confirmou a presença de uma turma de estudantes do ensino médio na próxima anarco expedição. A diretora garantiu que os preparativos já estão em fase de pleno desenvolvimento e que após conhecer o projeto, apresentado pelo professor Francis Torres, entendeu que seria importante a participação da escola em uma das anarco expedições. A metodologia simplificada do projeto é um dos principais atrativos da atividade e garante um intenso aproveitamento didático. Com a participação da escola Cel. Juvêncio já serão duas escolas da cidade de Jardim que conhecem o projeto e realizam a atividade de integração com os estudantes da Escola Geraldo Garcia, base do projeto. Neste ano será a quarta expedição a ser realizada e o projeto não para de crescer. A visibilidade e os diferentes aprendizados produzidos estão colocando as anarco expedições entre as mais importantes ações pedagógicas, de pesquisa e extensão universitária realizadas na estado, com vistas a educação ambiental e patrimonial. A próxima expedição será à Nascente do Córrego João Dias, localizado ao norte da cidade de Aquidauana, na área indígena Limão Verde. A expedição já está sendo organizada e neste sábado os monitores estarão participando de uma capacitação em primeiros socorros oferecida pelo Corpo de Bombeiros. A expedição que contará com a presença dos estudantes jardinenses deverá ocorrer no início do mês de setembro em data a ser marcada e articulada pela anarco equipe.